Notícias

Arábia Saudita na mira da indústria moveleira

02 de outubro de 2017

Números de exportações do Sindmóveis até julho apontam forte crescimento nos embarques para Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Omã. Setor quer ampliar negócios com o mundo árabe.

São Paulo – O crescimento das exportações de móveis a países árabes do Golfo foi destaque de janeiro a julho, segundo dados divulgados pelo Sindicato das Indústrias do Mobiliário de Bento Gonçalves (Sindmóveis), do Rio Grande do Sul. Emirados Árabes Unidos, com crescimento de 90%, Arábia Saudita, com alta de 67%, e Omã, com embarques 47% superiores, foram alguns dos mercados com desempenho relevante no período, devido a algumas ações do setor.

A principal delas, de acordo com o diretor internacional do Sindmóveis, Leonardo Dartora, foi o retorno do setor brasileiro à Index Design Series, importante feira em Dubai, nos Emirados. “No ano passado não houve participação brasileira, mas voltamos esse ano. E foi uma feira bem boa para nós, pois foca muito no design, algo que ajuda muito a indústria brasileira”, afirmou.

No mercado árabe, o móvel brasileiro compete principalmente com produtos asiáticos. Leva vantagem por oferecer, além do preço mais baixo, um design diferenciado, que é algo que os consumidores árabes procuram, especialmente na Arábia Saudita. O país é, inclusive, um dos que mais tem potencial de crescimento, de acordo com Dartora.

“É uma população grande, com alto poder aquisitivo. Acredito que nos próximos anos a Arábia Saudita inclusive supere os Emirados Árabes e se torne o principal destino árabe para os móveis da região [de Bento Gonçalves]”, projetou.

De janeiro a julho, os embarques para os Emirados somaram US$ 2,967 milhões, deixando o país na 18ª posição do ranking de clientes do produto nacional. A Arábia Saudita ficou na 40ª posição, mas subiu 11 postos na comparação com 2016, com US$ 574 mil em embarques. Omã foi o 55º maior mercado no geral – à sua frente, também árabes, apareceram Argélia (53º) e o Catar (54º), mas ambos registraram queda na comparação com os primeiros sete meses do ano passado.

Para a cidade gaúcha de Bento Gonçalves, isoladamente, os Emirados Árabes foram o 14º principal mercado e a Arábia Saudita o 16º no período. Omã ficou na 35ª posição. Os três apresentaram crescimento mais vultosos que o total geral do Brasil: 75%, 279% e 10.558%, respectivamente.

Dartora aposta que a tendência para toda a região é de crescimento, ainda mais após a positiva participação da indústria brasileira na feira. “As portas foram abertas, os contatos foram estabelecidos e as empresas agora já são conhecidas. Indústrias que antes não miravam o Oriente Médio com certeza agora passarão a olhar com mais atenção este mercado”, analisou.

No total, a indústria moveleira brasileira apresentou crescimento de 4,4% nas exportações de janeiro a julho, comparado a igual período do ano passado.