Notícias

Certificação halal cresce no Brasil

20 de março de 2017

Fambras registrou aumento de 12% no ano passado. Para o presidente da entidade, Mohamed El Zoghbi, há demanda contínua por produtos brasileiros nos países árabes.

São Paulo – A busca por certificações halal cresceu 12% no ano passado, mantendo a trajetória ascendente dos últimos anos, segundo informações da Federação das Associações Muçulmanas do Brasil (Fambras). A indústria brasileira continua sendo referência global no fornecimento de produtos halal, um mercado que, segundo o presidente da Fambras, Mohamed El Zoghbi, não passa por altos e baixos.

“É um mercado constante que abre oportunidades para os brasileiros, que possuem muita credibilidade e notoriedade graças ao trabalho que a Fambras, a Câmara de Comércio Árabe Brasileira, os ministérios e o governo no geral fizeram nos últimos anos. Por isso as importações dos países árabes crescem e o Brasil é o maior produtor halal do mundo”, afirmou Zoghbi em entrevista à ANBA.

O presidente destacou o aumento na demanda por empresas dos setores farmacêutico e de cosméticos pela certificação halal. Empresas como Prolab, fabricante de cosméticos, e Ajinomoto, Kin Master e Centroflora, que fornecem insumos para a indústria farmacêutica, foram certificadas no ano passado, segundo a federação.

Mas há também aumento na procura por companhias de diferentes segmentos da indústria alimentícia, como fabricantes de bombons, achocolatados e embutidos. “Isso mostra que é possível adequar os produtos, fazer substituição de itens por outros sem perda de qualidade ou aumento de custo”, explicou o presidente.

A Fambras afirma que o mercado islâmico represente quase um terço do consumo mundial. Segundo a Agência Brasileira de Promoção e Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), no ano passado o Brasil exportou mais de US$ 6 bilhões para Arábia Saudita, Bahrein, Catar, Emirados Árabes Unidos, Kuwait e Omã, alguns dos principais consumidores dos produtos halal.

Zoghbi destacou também o amento na oferta de produtos halal no próprio mercado interno – e não apenas para atender a grande comunidade muçulmana presente no Brasil, mas também para a demanda da população que vê no selo halal a garantia de produto com boa qualidade, manipulação correta e um conceito mais saudável.

Segundo ele, desde que a Fambras passou a ser certificadora halal no Brasil, em 1979, nunca houve um ano em que a busca por certificações ficou abaixo do ano anterior. A expectativa para 2017, portanto, é de novo aumento: “Já está tendo crescimento neste início de ano”, finalizou o presidente da Fambras.