Notícias

Cresce déficit comercial da Tunísia

14 de junho de 2016

Túnis – O déficit comercial da Tunísia aumentou 9,46% nos cinco primeiros meses deste ano, em comparação com o mesmo período de 2015, e chegou a 5,135 bilhões de dinares tunisianos (US$ 2,4 bilhões), segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatísticas do país (INS).

O aumento do déficit foi provocado por uma queda de 2,6% nas exportações e por um crescimento de 0,8% nas importações. Houve saldo negativo principalmente na conta de energia e na balança de alimentos.

A China é o principal fornecedor da Tunísia e teve um superávit de 1,505 bilhão (US$ 696 milhões) de dinares no comércio com o país árabe nos cinco primeiros meses de 2016. A Tunísia registrou déficits significativos também com a Turquia, Rússia e Alemanha. A balança comercial tunisiana ficou superavitária no período com a França e com a Líbia.

Nas exportações, caíram em 36,7% as vendas de produtos agrícolas e alimentos. Aumentaram, no entanto, os embarques de fosfatos e derivados, em 86,6%. O desempenho foi impulsionado principalmente pelas vendas externas de ácido fosfórico.

Na outra mão, cresceram as importações de matérias-primas, bens de capital e bens de consumo. Destaque para o aumento das compras de automóveis, óleos essenciais e produtos de plástico.

Houve, no entanto, queda nas aquisições de produtos da conta de energia e de produtos agrícolas, apesar do aumento do déficit comercial nestas áreas.

Caíram as vendas para a União Europeia, mas subiram as vendas para a Turquia e a França. As importações da EU também recuaram.

Para outros países do Magreb, cresceram as vendas para a Argélia, mas caíram os embarques para a Líbia e o Marrocos.

Para o Brasil, a Tunísia exportou o equivalente a US$ 16,6 milhões de janeiro a maio, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Houve um recuo de 35% em relação ao mesmo período de 2015. Os principais produtos comercializados foram superfosfatos, fibras sintéticas, fluoretos de alumínio, peças para eletrônicos e azeite de oliva.

Na outra ponta, o Brasil vendeu à Tunísia o equivalente a US$ 95,4 milhões, um recuo de 30% na mesma comparação. Os principais produtos embarcados foram açúcar, café, óleo de soja, fumo e niveladores.

O saldo comercial entre os dois países está superavitário para o Brasil em US$ 78,8 milhões.

*Tradução de Alexandre Rocha com informações da redação da ANBA