Notícias

Dubai sedia fórum sobre América Latina

14 de julho de 2016

São Paulo – A Câmara de Comércio e Indústria de Dubai (Dubai Chamber) irá promover o Fórum Global de Negócios da América Latina, nos dias 09 e 10 de novembro, no hotel Atlantis, The Palm, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. Serão abordados temas como segurança alimentar, parcerias público-privadas, o futuro da aviação global e oportunidades em tempos de crise, entre outros. A Câmara de Comércio Árabe Brasileira está apoiando a divulgação do evento.

De acordo com Hamad Buamim, presidente e CEO da Dubai Chamber, o fórum ocorre na esteira de um constante fortalecimento das relações entre Dubai e os países da América Latina nos últimos anos.

O executivo lembrou que, em 2014, o xeque Mohammed bin Rashid Al Maktoum, vice-presidente dos Emirados Árabes Unidos, primeiro-ministro e governante de Dubai, visitou o Brasil, México, Argentina e Chile. Na ocasião, afirma Buamim, o xeque destacou a importância da cooperação nos campos de investimento, defesa e cultura para parcerias estratégias, assim como as numerosas oportunidades econômicas presentes.

“Continuando com sua visão, a Dubai Chamber está expandindo fortemente seus laços bilaterais com as dinâmicas economias emergentes na América Latina. Como parte deste esforço, a Câmara está organizando o primeiro Fórum Global de Negócios da América Latina em novembro, que irá reunir importantes tomadores de decisão dos setores público e privado para discutir os desafios e oportunidades no mercado e, ao mesmo tempo, identificar áreas para o aumento do comércio e o incremento dos negócios”, explicou Buamim, em entrevista por e-mail à ANBA.

Buamim contou que, em 2015, o comércio de produtos não petrolíferos entre Dubai e os países da América Latina somou cerca de US$ 4,8 bilhões e que há perspectivas de aumento em diversos setores da economia. Segundo o presidente da Dubai Chamber, Brasil e México são os principais parceiros econômicos do emirado na região, em 35º e 43º lugares respectivamente.

“A florescente economia da região e uma crescente classe média impulsionam uma alta demanda, particularmente em setores promissores, como energia e indústria. Além disso, há um potencial muito maior para cooperação econômica entre os países da América Latina e os do Oriente Médio, especialmente entre os pilares da economia islâmica, o que engloba finanças islâmicas, alimentos halal, turismo familiar, moda e varejo, entre outros setores”, destacou.

Segundo o presidente da Dubai Chamber, um estudo feito este ano pela entidade sobre oportunidades econômicas na América Latina mostrou que Brasil, Chile, Argentina, Colômbia, Peru e México se destacam com perspectivas promissoras.

“Desde 2014, os governos do Brasil, Colômbia, Chile e México revelaram planos de investimento em infraestrutura que somavam US$ 767 bilhões para aumentar estradas, vias férreas, portos e aeroportos na região. O Brasil exibe um setor de energia renovável robusto e foi o maior recebedor de investimentos em energia renovável em 2015, recebendo US$ 7,1 bilhões, enquanto o Chile apresentou novos incentivos fiscais para a promoção de energia renovável por meio de sua recém-aprovada lei de energia renovável”, apontou Buamim.

As áreas de turismo e agronegócio também foram indicadas como promissoras em países latino-americanos. Em relação ao turismo, Buamim destacou as previsões para o México, que deve passar dos 32 milhões de visitantes recebidos em 2015 para 40 milhões em 2018. No Chile, disse, os investimentos no setor turístico em 2015 totalizaram 10,8% do total feito no país, que espera receber quatro milhões de viajantes este ano.

“O setor de agronegócio se destaca tendo perspectivas promissoras para o comércio com o Oriente Médio. O Peru pretende dobrar suas exportações de alimentos, atualmente em US$ 4 bilhões, incentivando investimentos em irrigação e expansão agrícola. O Chile é um forte exportador de frutos do mar e é o segundo maior produtor de salmão do mundo. As exportações de agronegócio do Brasil alcançaram US$ 88,2 bilhões [em 2015] e [o País] pretende expandir sua participação no comércio agrícola mundial dos atuais 7% para 10%”, destacou.

Para Buamim, a distância geográfica entre os mercados do Oriente Médio e da América Latina tende a ser cada vez menos um obstáculo para os negócios entre as duas regiões.

“Os mercados latino-americano e do Oriente Médio devem crescer juntos, tanto figurativamente quando fisicamente. Hoje, a Emirates Airlines mantem três rotas diretas entre Dubai e Argentina e Brasil, com planos de rotas adicionais para o futuro. Aumentar o acesso físico é uma maneira de ajudar a fortalecer as relações e nós acreditamos que, com o aumento do diálogo por meio do Fórum Global de Negócios da América Latina e visitas de delegações de negócios dos dois lados, novas portas irão se abrir para o aumento da cooperação bilateral”, disse.

Buamim lembrou que diversas visitas foram feitas entre autoridades da América Latina e dos Emirados Árabes Unidos nos últimos anos, “sinalizando o reconhecimento mútuo da importância do aumento das relações [entre o país árabe e os latino-americanos].”

O Fórum Global de Negócios da América Latina será um evento aberto apenas a convidados da Dubai Chamber. A lista de participantes inclui chefes de estado, ministros e autoridades governamentais, CEOs de empresas globais, presidentes de bancos privados, de fundos soberanos e fundos privados, entre outros líderes de negócios.