Notícias

Egito discute ampliação do comércio com Brasil

22 de junho de 2016

São Paulo - O embaixador do Egito em Brasília, Alaa Eldin Wagih Mohamed Roushdy, e o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, discutiram a expansão do comércio de produtos agropecuários entre os dois países e o equilíbrio da balança comercial. O Brasil tem um grande superávit nas trocas comerciais com o Egito. No encontro, realizado na segunda-feira (20) no ministério, o diplomata e o ministro também trataram da vinda ao Brasil de uma delegação egípcia para visitar pecuaristas que poderão exportar gado em pé ao país árabe.

O embaixador afirmou à ANBA nesta quarta-feira (22) que o encontro com Maggi foi “excelente” e produtivo. “Discutimos sobre comércio entre os países, que ultrapassa US$ 2 bilhões por ano, e sobre como podemos melhorar essa cooperação e ampliar a corrente comercial, afinal a maior parte dos produtos negociados é da agropecuária”, observou.

“Falamos também sobre o equilíbrio da balança comercial, que hoje é favorável ao Brasil. O Egito é produtor de fertilizantes e o Brasil é grande importador de fertilizantes. Nós já exportamos uma pequena quantidade ao Brasil, mas é possível vender mais. Além disso, nós acreditamos que a corrente comercial poderia crescer com a ratificação, pela Argentina, do acordo de livre-comércio entre o Egito e o Mercosul”, observou o diplomata.

O acordo foi assinado em 2010 e prevê tarifa zero para a importação e exportação de produtos entre o Egito e os países integrantes da união aduaneira: Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. A Venezuela entrou para o Mercosul depois das negociações com o Egito.

Dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) mostram que em 2015 o Brasil exportou US$ 2,05 bilhões ao Egito. O principal produto exportado ao país do Norte da África foi carne bovina, com US$ 624 milhões em vendas. O Egito, por sua vez, exportou o equivalente a US$ 108,1 milhões ao mercado brasileiro, principalmente fertilizantes, que somaram US$ 42,5 milhões.

Visita

Segundo o embaixador egípcio, uma delegação de técnicos do Ministério da Agricultura do país árabe deverá visitar frigoríficos e criadores de gado. O Egito anunciou neste ano que vai voltar a importar gado em pé do Brasil. As compras do produto foram suspensas em 2014 devido a divergências sanitárias entre os dois países. Animais vivos são importados por empresas egípcias que desejam realizar o abate localmente para atender uma demanda específica de seus consumidores. Roushdy afirmou, porém, que a data e detalhes da visita ainda serão definidos.