Notícias

Exportações da Tunísia recuam 1,3%

16 de julho de 2016

Vendas externas do país somaram US$ 6,4 bilhões no primeiro semestre. Queda nos embarques de azeite de oliva influenciaram o desempenho.

Túnis – As exportações tunisianas somaram 14,25 bilhões de dinares (US$ 6,4 bilhões) no primeiro semestre, um recuo de 1,3% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo o Instituto Nacional de Estatísticas (INS). As importações, por sua vez, totalizaram 20,29 bilhões de dinares (US$ 9,1 bilhões), uma queda de 1,5% na mesma comparação.

Com isso, o déficit comercial ficou ligeiramente acima de 6 bilhões de dinares (US$ 2,7 bilhões), um pouco menor do que o registrado nos seis primeiros meses de 2015.

O recuo das exportações foi causado em parte pela queda de 36% nas vendas externas de produtos agrícolas e alimentícios, principalmente de azeite de oliva. Houve também redução nos embarques de produtos do setor de energia (petróleo e gás), de 50,1%, especialmente de produtos refinados.

As exportações de fosfatos e derivados, porém, avançaram 93,6% em função do desempenho das vendas de ácido fosfórico. Ocorreu ainda aumento de 11,7% nos embarques das indústrias mecânicas e elétricas, e de 4,6% nos envios do ramo de têxteis e confecções.

Na outra mão, as importações de itens do setor de energia baixaram 33,9% em função do recuo nas compras de petróleo bruto. Caíram também, em 15,5%, as aquisições de produtos agrícolas, principalmente de trigo duro.

Brasil

Para o Brasil, as exportações da Tunísia somaram US$ 25,59 milhões de janeiro a junho, uma redução de 22,6% em relação ao mesmo período do ano passado. Caíram as vendas de têxteis e confecções, mas subiram os embarques de adubos e fertilizantes. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços brasileiro (MDIC).

Já as vendas do Brasil para a Tunísia totalizaram US$ 114,7 milhões, um recuo de 31,5% na mesma comparação. Diminuíram as exportações de açúcar, fumo, soja e café. Aumentaram, no entanto, os embarques de óleo de soja, máquinas e material de defesa.

*Tradução de Alexandre Rocha com informações da redação da ANBA