Notícias

Marrocos e Mercosul retomam negociação de acordo

17 de novembro de 2017

Tratado de livre comércio foi tema de reunião esta semana no Itamaraty. As duas partes vão trocar informações nas próximas semanas e novo encontro ocorrerá em 2018.

São Paulo – O Marrocos e o Mercosul retomaram esta semana as negociações de um acordo de livre comércio em reunião realizada no Itamaraty, em Brasília. O Brasil ocupa atualmente a presidência rotativa do bloco sul-americano, formado também por Argentina, Paraguai e Uruguai.

“A assinatura de um acordo de livre comércio entre o Marrocos e o Mercosul permitirá ao setor exportador nacional [do Marrocos] reforçar seu posicionamento junto a um bloco econômico em forte expansão, notadamente nas atividades agroindustriais, na cadeia de óleos vegetais e de produtos do mar”, disse o embaixador marroquino em Brasília, Nabil Adghoghi, segundo informações publicadas nesta sexta-feira (17) pela agência de notícias do país árabe MAP.

A ideia de um acordo comercial entre o país e o bloco foi lançada em 2004, quando as duas partes assinaram um acordo-quadro que criava as condições jurídicas para esta negociação. Até hoje, porém, as tratativas não haviam evoluído.

De acordo com a TAP, na reunião realizada em Brasília ambas as partes concordaram em trocar nas próximas semanas informações complementares sobre intercâmbio econômico, regras de origem, tarifas, estatísticas e regras comerciais. Um próximo encontro foi marcado para o primeiro semestre de 2018 em Rabat, capital da nação do Norte da África.

Em artigo publicado esta semana no jornal carioca O Globo, Adghoghi disse que o Marrocos segue adiante “na escolha que fez há anos pela inserção na globalização e a internacionalização de sua economia”. Como exemplos, ele citou os vários acordos comerciais que seu país tem com outras nações e blocos, como União Europeia, Estados Unidos, Associação Europeia de Livre Comércio, Conselho de Cooperação do Golfo e Turquia.

“Portanto, o potencial de um acordo de livre comércio entre o Marrocos e o Mercosul não deve ser identificado através, única e exclusivamente, do crescimento dos fluxos comerciais entre as duas partes”, afirmou o diplomata no artigo. Para ele, a nação africana pode servir como polo econômico e comercial para que os países do bloco sul-americano acessem outros mercados.

As exportações do Brasil ao Marrocos somaram US$ 518 milhões de janeiro a outubro, um aumento de 37,5% sobre o mesmo período do ano passado. Os principais itens embarcados foram açúcar e milho. Na outra ponta, o Marrocos vendeu ao Brasil o equivalente a US$ 704 milhões, um crescimento de 37% na mesma comparação. Fertilizantes são os principais produtos da pauta. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).