Notícias

Mineira VMI quer vender scanners de segurança aos árabes

09 de junho de 2016

Indústria mineira produz aparelhos de raio-X para uso em locais como portos, aeroportos e postos de fronteira. Companhia busca representantes em países do Oriente Médio e da África.

São Paulo – A empresa mineira VMI, fabricante de equipamentos de segurança eletrônica com raios-X, quer exportar para o mercado árabe e busca representantes em países do Oriente Médio e da África. Os aparelhos da indústria são usados para o escaneamento de pessoas e materiais em portos, aeroportos, rodovias, postos de fronteira, hotéis e grandes eventos, entre outros locais.

“Estamos com equipamentos em testes no Egito e participando de licitação na Arábia Saudita”, revela Otavio Moraes, presidente da VMI. “No Egito, os aparelhos estão sendo testados pela defesa civil para serem homologados e depois colocados em hotéis. Na Arábia Saudita, participamos de licitação do governo para a proteção de fronteiras”, explica o executivo.

Moraes conta que a empresa exporta atualmente para os Estados Unidos, Chile, Peru, Colômbia, Costa Rica, Bolívia, Argentina, Equador, México e Panamá. Agora, ela decidiu expandir seus negócios no exterior e está prospectando mercados na Europa, Oriente Médio e África.

“Depois da Primavera Árabe, os países árabes têm tido muitos problemas de segurança. Nossos equipamentos oferecem solução para vários tipos de estabelecimentos, como tribunais, penitenciárias e aeroportos. O Oriente Médio também usa [estes aparelhos] em hotéis, shoppings e museus”, destaca o presidente da VMI.

Atualmente, 40% da produção da empresa vai para o mercado externo. A VMI também já colocou seus equipamentos em importantes eventos, como a Copa das Confederações e a Copa do Mundo da Fifa de 2014, além de ter assinado contrato para fornecer aparelhos que serão usados nos Jogos Olímpicos deste ano no Rio de Janeiro.

Segundo Moraes, a empresa vê potencial para seus equipamentos em nações árabes como Iraque, Bahrein, Iêmen, Tunísia, Síria, Líbia, Argélia e Jordânia, além de outros da região, como Irã e Afeganistão.

Para atender a estes mercados, a VMI abriu há dois meses um escritório em Londres. A busca por representantes nos países árabes está a cargo do executivo egípcio Sami Mansour, residente na Inglaterra.

“O representante precisa ter capacidade comercial, administrativo-financeira e técnica, para fazer a instalação dos aparelhos e oferecer assistência técnica”, diz Moraes sobre o tipo de parceiro que estão buscando na região. A empresa espera encontrar representantes nos diferentes países árabes em que pretende operar.

A VMI produz 18 tipos de scanners, que podem ser usados em materiais de tamanhos diversos, como pacotes, contêineres e até caminhões inteiros. Os preços dos equipamentos variam bastante. Um scanner para uso em esteiras de aeroportos, por exemplo, custa cerca de US$ 35 mil, enquanto um aparelho para escanear contêineres sai por volta de US$ 1,6 milhão.

A VMI produz cerca de 35 equipamentos de menor porte por mês, enquanto outros, de tamanho maior, são feitos sob encomenda para os clientes de acordo com os pedidos recebidos.

Fundada em 1985, a empresa tem sede na cidade de Lagoa Santa, Minas Gerais, e conta com 600 funcionários.

Contato
VMI
Site: www.vmis.com.br
Telefone: + 55 (31) 3622-0470
E-mail: otaviomoraes@vmis.com.br
Escritório em Londres – Contato com Sami Mansour
Telefone: +44 3301137787
E-mail: smansour@vmis-mea.com